31.1.10

IPAD, FOTÓGRAFOS, E O HOMEM DOS SETE INSTRUMENTOS.
















Irá o Ipad ser o fim do homem dos sete instrumentos?



O surgimento do  Ipad, é para vários analistas, o pontapé de partida para uma geração de aparelhos que vão suportar com novo fulgor uma produção online irreversivelmente ancorada no multimédia. A ideia é que por exemplo, ao ler um livro num destes aparelhos, determinadas passagens façam uma hiperligação para um outro conteúdo, seja um clip de uma adaptação cinematográfica, uma entrada para uma enciclopédia, ou uma biografia, tudo isto naturamente servido por opções de compra e aluguer.
No fundo, a mesma lógica que em boa medida, já se aplica em muitos sites de imprensa e outros, e de que podemos já fruir nos nossos laptops, pelo que num primeiro relançe nada de muito novo parece existir debaixo do sol.
No entanto...
"It`s all about the display", ouvimos Steve Jobs dizer ao tech-guru Walt Mossberg neste clip do "Wall Street Journal". De facto, o novo gadget joga a sua cartada web na optimização superlativa da navegação na net através de um mesmerizante ecrã que possibilita "segurar a internet nas mãos" como Jobs não se cansou de referir na apresentação. É este salto qualitativo na fruição visual online dos contéudos jornalísticos, que fundamenta as expectativas (e as rezas) de todos os envolvidos de uma maneira ou outra  neste negócio; de que é possível,  em grande parte através do elevar da qualidade sensorial percepcionada, convencer o consumidor a fazer algo que na internet é tido como absurdo: pagar por um contéudo. É nesta fé que o New York Times desenvolve uma versão para o Ipad e se prepara para voltar a cobrar pelo acesso ao seu site.


Para o fotógrafo de imprensa também este "upgrade" de paradigma vai acelerar as mudanças já em marcha, mas agora com interessantes nuances. Sendo certo que o deslocamento acelerado da imprensa para a net vai impor neste suporte cada vez mais a fusão entre imagem fixa e em movimento, a tentação de delegar no fotojornalista funções de videografia é óbvia e parece inelutável. Disto não faltam exemplos, assentes não poucas vezes em discursos de "voluntariado compulsivo", travestidos de modernidade, mas que na realidade visam apenas a contenção de custos. E aos quais nem alguns redactores escapam. Os resultados desta práctica são visíveis na fraca qualidade, técnica e narrativa, da maioria dos clips video que enxameiam os sites de media nacionais e até internacionais. Porque são executados por quem não tem as competências especificas que durante anos desenvolveu nas suas áreas de eleição vocacional. Mas que, por até agora serem fruídos numa lógica de acesso gratuito e de pouca exigência visual, têm "servido para o gasto". O que  é contraditório com o elevado patamar de qualidade de qual estes novos aparelhos são arautos, e que é a chave para persuadir o consumidor a pagar por aquilo que não pagava.


No limite, é "back to basics", ou seja, qualidade igual a competência, igual a profissionalismo, igual a especialização. Na net, no papel, em Nova Iorque ou na Brandoa. 
Pessoalmente, acho sensato que pela incerteza que preside ao espirito dos tempos, os profissionais de comunicação se apetrechem de "skills" básicos e pluridisciplinares. Mas que também nunca se perca de vista que, depressa e bem não há quem, e que o homem dos sete instrumentos é bonito mas quando cantado pelo Sérgio Godinho.

No comments:

Post a Comment