15.9.09

DA VIDA SIMPLES DE WILLY RONIS

 
Willy Ronis , Le Nu Provençal, Gordes 1949


 É opinião muito difundida nos meios da arte, que a natureza excessivamente democrática da práctica fotográfica a condena ao estatuto de arte menor.  As derivas do media  que obtêm mais  valorização galeristica, das encenações de Cindy Sheman e Jeff Wall, até toda a panóplia de cruzamentos interdisciplinares correntes e passados, parecem validar esta tese, no que configuram de tendência de fuga de grande parte dos artistas fotógrafos á matriz genética mais elementar da fotografia, ou seja a sua capacidade de suspender de forma espontânea um dado momento no tempo e espaço.

Um dos mais extraordinários e puros executantes desta maneira fotográfica descomplexada, o francês Willy Ronis deixou-nos esta semana, depois de uma vida longa e cheia. Dele fica um legado notável de "instantes decisivos", públicos e privados, muitos deles esssenciais para entender uma parte importante da história de um país (a França) num momento traumático (o pós-guerra) da sua história.


Para mim, e certamente para muitos outros, a sua fotografia de que nunca me vou esqueçer é esta " Nú na Provença" de 1949. Pouco sei das suas circunstancias, e mais não quero saber. Sei que  é um dos mais belos poemas de amor e desejo que já vi, e sobre o qual há muito construí a minha própria história. 
E que gosto de pensar que se Ronis pudesse escolher um momento para levar para o céu dos fotógrafos, seriam estes 60 ou 125 avos de segundo do século passado.


Abençoadas coisas simples.

No comments:

Post a Comment